Em audiência com Cônsul da França, Paulo Bufalo discute programa do PSOL

201402071822561391804576_consulado_

Encontro ocorreu no Consulado em SP

O presidente estadual do PSOL-SP e vereador de Campinas, Paulo Bufalo se reuniu com o Cônsul Geral da França em São Paulo, Damien Loras e com a Cônsul Adjunta para Assuntos de Política e Imprensa, Caroline Vabret, no Consulado, ontem (06/02), para tratar dos rumos da política no estado e a eleição que ocorre em outubro deste ano.

O Cônsul apresentou os diversos setores econômicos franceses que investem em São Paulo, como empresas, restaurantes, atividades culturais e outros. “2014 é um ano importante porque são vários eventos, como a Copa do Mundo e a eleição. Tenho o sentimento que o Brasil atravessa um momento de incerteza, o mundo vai olhar para o Brasil e pode ser um ano mais difícil”, avalia Loras.

Em seguida, pediu para conhecer o programa do PSOL, a política de alianças e o que o partido fará na próxima eleição. Paulo Bufalo resgatou a história da legenda nas eleições anteriores e ressaltou a semelhança no programa entre partidos que parecem antagônicos como o PSDB e o PT. Bem diferente do Programa Democrático Popular, no qual o PSOL se baseia para tratar questões como a reforma agrária e reforma urbana.

Bufalo destacou as duas principais pautas que o PSOL vai trabalhar na campanha eleitoral: a educação e desmilitarização da Polícia Militar. “Vamos debater investimentos para a educação como o financiamento público e aumento nas matrículas no Ensino Médio, que reduziu drasticamente em 20 anos pelo desmantelamento do ensino público no estado”, aponta. Bufalo também disse que o partido vai falar sobre meio ambiente, transporte, saúde, combate à violência e reforma urbana.

Com o tema da corrupção na conversa, o Cônsul ressaltou que o Brasil deve fazer a reforma política com urgência, “a corrupção no Brasil é endêmica, esta é a percepção que se tem no exterior”, contou. Bufalo aproveitou o assunto para falar das privatizações que ocorreram no país e em São Paulo que enfraqueceram o Estado. São Paulo ficou 10 anos com um vácuo profissional em pontos estratégicos relacionados à tecnologia. “Hoje não tem técnicos para certos setores no pré-sal”, exemplificou.

Manifestações

Para a Cônsul Ajunta, o PSOL é um partido que vem ganhando espaço, devido as recentes manifestações. “O Vladimir (Safatle – possível candidato a governador da legenda) nos auxiliou para entendermos os protestos e também tem o Freixo (se referindo ao deputado estadual do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, atuante contra a corrupção). Acredito que O PSOL ocupa um papel maior que nos anos anteriores”, disse Caroline e perguntou a posição do PSOL sobre as manifestações. “A liberdade de mercado e o consumo sustentam nossa economia. A insatisfação levou às manifestações populares, é preciso dialogar para compreender, principalmente com a juventude, que foi a maior protagonista daquele período”, definiu Bufalo.

O bate papo foi agradável e rendeu convite para novo encontro. O Cônsul propôs uma visita à cidade. O vereador espera viabilizar ações entre o representante da França no estado e Campinas.

Posted in Noticia.