Paulo Bufalo é militante desde sua adolescência, tendo participado das pastorais sociais, das lutas por moradia e no apoio das ocupações de terra na região de Campinas. Teve destacada atuação no movimento por defesa dos direitos da Criança e do Adolescente e pela efetivação do ECA e na luta contra a Privatização da Vale do Rio Doce. Professor de escola pública, militante da educação pública de qualidade.

Sua atuação militante o levou a ser eleito três vezes vereador em Campinas e seus mandatos foram referência de combatividade, fiscalização rigorosa do Poder Executivo e apoio decidido aos movimentos populares.

Foi candidato a prefeito em 2008 e a governador em 2010. Em 2016 recebeu mais de 6 mil votos para vereador, sendo o sexto mais votado. Paulo Bufalo já presidiu o PSOL em Campinas e no estado de São Paulo e atualmente é dirigente estadual do Partido.

Mestre em educação pela Unicamp, professor do Centro Paula Souza, continua sendo uma das principais lideranças políticas em Campinas, tendo militância reconhecida na defesa da educação e saúde públicas, pelo direito à cultura, na proteção do meio ambiente e da causa animal e pela transparência na gestão pública.

Primeiras lutas sociais
Possui reconhecida trajetória como militante das causas pelos direitos sociais. O engajamento nas lutas e na política iniciou na juventude, em meados dos anos 1980, na Pastoral da Juventude. Posteriormente, atuou na Pastoral Rural, ajudando a formar as primeiras experiências de núcleos urbanos em apoio ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Participou do movimento estudantil no ensino médio e na universidade.

Desde 1990, atua no movimento em defesa dos direitos da criança e do adolescente e coordenou, por oito anos, o Fórum Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente, organizado pelos movimentos populares de Campinas.

Trabalho e luta sindical
Trabalhou como torneiro mecânico e técnico de processos em indústrias do ramo químico/metalúrgico na cidade de Vinhedo, quando participou das principais mobilizações e greves do Sindicato dos Químicos e Abrasivos. Também foi eleito, pelos trabalhadores, vice-presidente da CIPA na fábrica onde trabalhava.

A partir de 1994 tornou-se professor de ensino técnico no Centro Paula Souza, diretor de base e regional do Sindicato da categoria, o SINTEPS, lutando contra o desmonte do ensino técnico e pela abertura de vagas. Em 2000, atuou de forma intensa na construção de uma greve histórica por melhores salários e de resistência ao sucateamento das escolas técnicas de São Paulo.

Militância partidária
Paulo Bufalo foi filiado ao Partido dos Trabalhadores de 1992 a 2005, período em que integrou a Executiva Municipal de Campinas e assessorou parlamentares do partido. Por sua trajetória e atuação política foi eleito vereador em sua primeira eleição em 2000, ano em que, Antonio da Costa Santos elegeu-se prefeito, sendo assassinado em 2001. Reeleito no pleito seguinte (2005-2008), Paulo Bufalo saiu do PT por divergências políticas e ideológicas devido aos rumos tomados pelo partido.

Em 2005, ingressou no Partido Socialismo e Liberdade – PSOL. Presidiu o partido em Campinas e foi Secretário de Direitos Humanos na Executiva Estadual. Aceitou a tarefa de levar o nome do partido para a cidade de Campinas e candidatou-se a prefeito, em 2008, e a governador, em 2010, chegando a atingir 90 mil votos. Em 2011 assume a presidência estadual do PSOL no Estado de São Paulo e foi reeleito em 2013. Retornou ao parlamento campineiro, após quatro anos, em 2013 para seu 3º mandato, sendo o 5º vereador mais votado na ocasião.

Em 2016 recebeu mais de 6 mil votos para vereador, sendo o sexto mais votado e agora, em 2018, se candidata ao cargo de Deputado Estadual para continuar sua luta política e social na assembléia legislativa de SP.